Rate this post

A doença de Alzheimer, uma patologia neurodegenerativa que afecta principalmente os idosos, caracteriza-se por alterações progressivas da memória, da cognição e do comportamento. Para além dos desafios da gestão quotidiana, os familiares e prestadores de cuidados são muitas vezes confrontados com a difícil tarefa de gerir o medo e a ansiedade sentidos pelas pessoas afectadas por esta doença devastadora. Esta dimensão emocional da doença exige uma abordagem empática e estratégias específicas para melhorar a qualidade de vida dos doentes e das suas famílias.

 

Compreender o medo e a ansiedade nos doentes de Alzheimer

Alterações cognitivas e emocionais associadas à doença

As alterações cognitivas e emocionais provocadas pela doença de Alzheimer são profundas e complexas, influenciando significativamente a vida quotidiana dos doentes. A nível cognitivo, a memória, a capacidade de raciocínio e a compreensão espacial são gradualmente afectadas. Estas alterações podem levar a episódios de confusão e desorientação, criando um terreno fértil para o medo e a ansiedade.

O Dr. Catherine Martin, neuropsicóloga especializada em doenças neurodegenerativas, sublinha o impacto emocional destas alterações, afirmando: “As pessoas com doença de Alzheimer sofrem frequentemente uma perda de pontos de referência que pode provocar uma profunda ansiedade. Esta perda de controlo sobre aspectos fundamentais da vida quotidiana pode gerar sentimentos de insegurança e apreensão. É fundamental reconhecer que o medo resulta muitas vezes desta vulnerabilidade acrescida e da dificuldade em interagir com um mundo que é cada vez mais complexo para eles”.

 

Factores que desencadeiam o medo e a ansiedade

São vários os factores que podem desencadear o medo e a ansiedade nas pessoas com doença de Alzheimer. É fundamental reconhecer estes elementos específicos para poder efetuar intervenções adequadas. Eis alguns exemplos concretos de factores de desencadeamento:

 

Alterações ambientais :

– Exposição a locais desconhecidos ou ruidosos, como centros comerciais.

– Mudanças frequentes ou reorganização do espaço habitacional.

Interacções sociais complexas :

– Conversa rápida ou ambiguidade na comunicação.

– Grupos numerosos ou ruidosos em reuniões familiares.

Confusão ligada às tarefas quotidianas :

– Dificuldade em seguir rotinas desconhecidas

– Incapacidade de reconhecer objectos ou de realizar actividades quotidianas, como vestir-se.

 

Confusion Alzheimer Peur, DYNSEO

Estimulação sensorial excessiva :

    • Luzes brilhantes, ruídos altos ou cheiros intensos.
    • Um ambiente visualmente sobrecarregado, que conduz a uma sobre-estimulação.

Confronto com objectos desconhecidos :

      • Dispositivos médicos ou objectos domésticos desconhecidos.
      • Situações invulgares, como mudanças súbitas na rotina diária.

A compreensão destes exemplos permite-nos adaptar as abordagens de gestão do medo e da ansiedade, minimizando estes potenciais factores desencadeantes, ajudando assim a criar um ambiente mais tranquilo para as pessoas com Alzheimer.

 

 

 

 

Técnicas de comunicação adequadas

A comunicação desempenha um papel central na gestão do medo e da ansiedade nas pessoas com doença de Alzheimer. Devido às alterações cognitivas, é essencial adotar abordagens de comunicação adequadas para promover uma compreensão e uma ligação óptimas.

A importância da comunicação não-verbal

A comunicação não-verbal pode ser mais significativa do que as próprias palavras. As expressões faciais, os gestos e as posturas podem transmitir emoções e intenções de forma mais clara para as pessoas com doença de Alzheimer. Os prestadores de cuidados e os familiares podem utilizar sinais não verbais para expressar calma, compreensão e estabelecer uma ligação emocional.

Utilização de frases simples e compreensíveis

As pessoas com doença de Alzheimer podem ter dificuldade em processar informações complexas. Ao utilizar frases simples e claras, os prestadores de cuidados podem facilitar a compreensão. Evitar instruções demasiado detalhadas em favor de mensagens simples ajuda a reduzir o stress associado à comunicação.

Paciência e escuta ativa

A paciência é uma virtude essencial quando se comunica com alguém que sofre da doença de Alzheimer. Dar às pessoas tempo suficiente para exprimirem os seus pensamentos e sentimentos ajuda a reforçar os laços afectivos. A escuta ativa, reformulando o que está a ser dito e mostrando empatia, ajuda a estabelecer um clima de confiança, reduzindo assim a ansiedade potencial.

 

Criar um ambiente tranquilizador

Criar um ambiente relaxante é fundamental para reduzir o medo e a ansiedade das pessoas com doença de Alzheimer. Modificando o espaço de vida e introduzindo elementos familiares, é possível melhorar o bem-estar emocional destes indivíduos vulneráveis.

Conceber o seu espaço de vida

A conceção do espaço habitacional deve ter em conta a segurança e o conforto. Evitar configurações complexas, minimizar objectos potencialmente perturbadores e privilegiar uma disposição simples e intuitiva pode ajudar a prevenir situações de stress. Espaços familiares e bem iluminados também ajudam a reduzir a ansiedade.

 

 

 

Utilização de lembretes visuais

Os lembretes visuais sob a forma de fotografias, notas e calendários podem ajudar a fixar as memórias e a dar uma noção do tempo. As imagens da família, dos amigos e dos momentos felizes podem evocar emoções positivas, reforçando um sentimento de ligação ao passado e ao presente.

Amenagement Espace De Vie Maison Alzheimer, DYNSEO

Integração de rotinas estruturadas

As pessoas com doença de Alzheimer beneficiam muito com rotinas consistentes. Estabelecer horários fixos para as refeições, actividades e descanso ajuda a criar uma sensação de previsibilidade e segurança. As transições suaves entre as diferentes fases do dia também minimizam o risco de confusão e desconforto emocional.

Partilhar tempo de qualidade

Passar tempo em conjunto e partilhar momentos agradáveis é uma estratégia essencial para promover o bem-estar emocional das pessoas com doença de Alzheimer. A participação em actividades significativas, como ver fotografias, ouvir a sua música preferida ou participar em actividades artísticas, pode reforçar os laços afectivos e criar memórias positivas. Estes momentos de qualidade ajudam a estabelecer uma ligação emocional, oferecendo um conforto precioso no dia a dia muitas vezes desconcertante da doença.

Ao combinar estas estratégias, os familiares e os prestadores de cuidados podem desempenhar um papel essencial na criação de um ambiente favorável, promovendo assim a estabilidade emocional das pessoas com doença de Alzheimer.

 

 

Estimulação sensorial positiva

A estimulação sensorial positiva desempenha um papel importante na gestão do medo e da ansiedade nas pessoas com doença de Alzheimer. Ao concentrarmo-nos no enriquecimento das experiências sensoriais, podemos melhorar o bem-estar emocional e a qualidade de vida das pessoas afectadas.

 

 

Musicoterapia

A musicoterapia está a revelar-se uma abordagem poderosa para acalmar as emoções e estimular as memórias. As melodias familiares podem evocar sentimentos positivos, reduzir o stress e promover um ambiente descontraído. Ao adaptar a seleção de música às preferências pessoais da pessoa afetada, esta estimulação sensorial pode ser personalizada.

Aromaterapia

A aromaterapia, que utiliza aromas agradáveis, pode ter uma influência positiva no nosso estado emocional. Os cheiros familiares, como a lavanda ou a baunilha, podem trazer conforto e criar uma atmosfera relaxante. É essencial garantir que as fragrâncias utilizadas não sejam demasiado fortes para evitar qualquer risco de sobre-estimulação.

Aromatherapy, DYNSEO

 

Toque e contacto físico

O toque e o contacto físico suave podem ter efeitos calmantes notáveis. Carícias leves, massagens suaves ou simplesmente dar as mãos podem estabelecer uma ligação emocional importante. Estes gestos simples reforçam o sentimento de segurança e ajudam a reduzir a ansiedade.

Experiências culinárias relaxantes

As experiências culinárias também podem ser uma fonte de conforto. Privilegiar refeições simples, bem apresentadas e com ingredientes familiares pode estimular o prazer de comer, minimizando o stress associado a escolhas alimentares complexas.

Ambiente visual relaxante

A criação de um ambiente visual relaxante com cores suaves, decorações familiares e elementos visuais calmantes pode ajudar a reduzir a ansiedade. Um espaço bem ordenado e esteticamente agradável proporciona um ambiente calmo, propício à tranquilidade emocional.

 

 

Envolvimento de familiares e prestadores de cuidados

O envolvimento ativo dos familiares e prestadores de cuidados é essencial para gerir o medo e a ansiedade das pessoas com doença de Alzheimer. Trabalhando em conjunto com os membros da família e os prestadores de cuidados, é possível criar uma rede de apoio sólida para o bem-estar geral da pessoa em causa.

Formação para familiares e prestadores de cuidados

A formação dos familiares e prestadores de cuidados é um passo crucial para promover uma compreensão aprofundada da doença e das melhores práticas de gestão das emoções. As sessões educativas podem abranger temas como a comunicação adequada, o reconhecimento dos sinais de sofrimento emocional e a aplicação de estratégias para gerir a vida quotidiana.

A importância do apoio emocional

O apoio emocional desempenha um papel fundamental no bem-estar das pessoas com doença de Alzheimer. Os familiares e prestadores de cuidados podem ouvir, expressar a sua compreensão e partilhar momentos de alegria. Criar um ambiente emocionalmente seguro e carinhoso ajuda a reduzir o stress e a reforçar os laços afectivos.

Partilhar experiências e conselhos

Facilitar a partilha de experiências entre familiares e prestadores de cuidados cria uma comunidade de aprendizagem. Os desafios específicos enfrentados por cada pessoa podem ser discutidos, permitindo a identificação de abordagens personalizadas e conselhos práticos. Esta partilha promove um sentimento de pertença e reforça a capacidade colectiva de enfrentar os desafios da doença de Alzheimer. Ao envolver ativamente os membros da família e os prestadores de cuidados no processo de gestão emocional, cria-se uma rede de apoio essencial que ajuda a melhorar a qualidade de vida das pessoas com Alzheimer e das pessoas que as rodeiam.

 

Carmen, uma aplicação para partilhar bons momentos

 

A Carmen é o programa perfeito para partilhar bons momentos em conjunto! Os jogos são culturais, por isso, ao jogar, estará a revisitar memórias da sua vida, das suas experiências e da sua juventude. Tudo graças a jogos divertidos como música, receitas culinárias, história, conhecimentos gerais…

Utilizar as suas memórias é a forma mais eficaz de trabalhar a sua memória, para além de ser a mais motivadora.

jogos de memoria alzheimer

 

Recursos úteis

Associação Alzheimer Portugal  http://www.alzheimerportugal.org/

Sociedade Portuguesa de Alzheimer https://www.spa.pt/

Associação Portuguesa de Familiares e Amigos dos Doentes de Alzheimer  

Centro de Estudos de Doenças Crónicas (CEDOC) – Alzheimer Portugal  https://cedoc.unl.pt/pt/alzheimer-portugal/

 

Outros artigos que podem interessar-lhe: