Conselhos para pais de crianças autistas

Rate this post

Os pais de crianças com perturbações do espetro do autismo (PEA) podem ultrapassar as dificuldades de muitas formas. Nenhum pai está preparado para ouvir que o seu filho tem autismo. Para os pais, um diagnóstico de Perturbação do Espectro do Autismo pode ser assustador e confuso no início. Podem ser confrontados com conselhos de tratamento contraditórios de amigos e familiares. Quando uma criança é diagnosticada com uma perturbação do espetro do autismo (PEA), os pais perguntam-se frequentemente o que irá acontecer a seguir. E isso é normal.

Se és pai ou mãe de uma criança com autismo, estas dicas podem ajudar.

 

Descobre mais sobre o autismo

Os pais devem esforçar-se por compreender melhor as perturbações do espetro do autismo (PEA) para poderem responder melhor às necessidades dos seus filhos. Reconhecer que o autismo é uma condição controlável é um primeiro passo crucial. Por isso, é útil que os pais procurem ativamente informações fiáveis sobre as PEA em várias fontes, como sites respeitáveis, livros e fóruns online.

O contacto com outros pais que têm experiência em primeira mão dos desafios colocados pelo autismo pode proporcionar uma visão e um apoio valiosos. É essencial estar informado sobre os tratamentos e intervenções disponíveis para que possas tomar decisões informadas sobre a melhor forma de agir para o teu filho.

Ao falar com profissionais de saúde e especialistas em autismo, terás acesso a conselhos de especialistas adaptados às necessidades específicas do teu filho. Ao informarem-se de forma proactiva e ao procurarem o apoio de fontes conhecedoras, os pais podem capacitar-se para prestar os melhores cuidados e apoio possíveis aos seus filhos autistas.

Torna-te um especialista

É essencial compreender em profundidade o que desencadeia o comportamento difícil ou perturbador do teu filho autista. Trata-se de olhar para uma multiplicidade de situações e interacções para compreender as nuances do que pode provocar uma reação negativa do teu filho. Por exemplo, mantém-te atento a situações em que ele se possa sentir sobrecarregado, como grandes reuniões sociais ou ambientes ruidosos e com muita gente. Deves também estar atento aos momentos em que ele parece ansioso ou frustrado, por exemplo, quando muda de uma atividade para outra ou de um lugar para outro.

  • Ao mesmo tempo, é igualmente importante aprender a obter respostas positivas do teu filho. O objetivo é concentrar-se nos casos em que reagem favoravelmente e compreender o que contribui para essas reacções. Por exemplo, nota as actividades ou ambientes em que parecem mais descontraídos e empenhados e tenta reproduzir essas condições na medida do possível.

 

  • Dedica algum tempo a identificar os factores de stress, os medos e os desconfortos que podem estar a contribuir para as suas dificuldades. Isto pode envolver situações específicas, certas texturas ou sensações, ou mesmo pequenas alterações na sua rotina diária. Ao compreenderes estes aspectos, podes propor soluções que proporcionem conforto e prazer ao teu filho. Por exemplo, podes descobrir que eles acham desconfortável a roupa com etiquetas irritantes, por isso podes optar por roupa sem etiquetas para aliviar o seu desconforto.

 

  • Explora estratégias criativas para lidar com as dificuldades do teu filho. Isto pode implicar a criação de rotinas visuais ou sistemas de recompensa para encorajar comportamentos positivos, ou a introdução de actividades sensoriais calmantes para períodos de sobrecarga sensorial. Ao encontrar abordagens adaptadas às suas necessidades individuais, podes ajudar o teu filho a ultrapassar as dificuldades de uma forma positiva e construtiva.

 

  • Finalmente, através de uma observação pró-ativa e de uma intervenção ponderada, podes realmente ajudar o teu filho a gerir o seu comportamento e a obter resultados positivos a longo prazo. Ao investires tempo e energia numa compreensão profunda das suas experiências e necessidades únicas, ajudas a criar um ambiente estimulante e estimulante que promove o seu crescimento e desenvolvimento globais.

 

Ser um observador

Como pai ou mãe de uma criança autista, é essencial estar consciente dos vários sinais e acções não verbais que a criança utiliza para comunicar as suas necessidades. Estas pistas podem manifestar-se de muitas formas, desde sons subtis a gestos e expressões faciais distintas. Por exemplo, o teu filho pode emitir sons diferentes para expressar fome, desconforto ou excitação. Ao ouvires ativamente e prestares atenção a estes sons, podes ter uma ideia do seu estado emocional e das suas necessidades imediatas.

Além disso, observa os gestos e as expressões faciais do teu filho, pois muitas vezes fornecem pistas valiosas sobre os seus desejos e preferências. Por exemplo, se o teu filho pegar num objeto específico ou apontar para algo que quer, isso indica que está interessado ou que o quer. Da mesma forma, as suas expressões faciais podem transmitir toda uma série de emoções, como alegria, frustração ou contentamento. Ao observares cuidadosamente estes sinais não verbais, podes discernir o que o teu filho está a tentar comunicar e reagir em conformidade.

Por exemplo, se o teu filho faz um determinado som ou gesto quando tem fome, podes usar esta informação para antecipar as suas necessidades e oferecer-lhe comida ou um lanche de forma proactiva. Da mesma forma, se ele mostrar sinais de desconforto ou angústia através das suas expressões faciais, podes confortá-lo e tranquilizá-lo para aliviar a sua angústia.

Ao reconhecer e responder sistematicamente às pistas não verbais do teu filho, não só estás a satisfazer as suas necessidades imediatas, como também estás a promover uma comunicação eficaz e a reforçar a ligação entre ti e ele. Esta abordagem proactiva demonstra o teu cuidado e empatia pelo teu filho, o que reforça o seu sentimento de segurança e confiança na vossa relação. Em última análise, ao prestares atenção a estes sinais não verbais, crias um ambiente favorável e estimulante que promove o bem-estar e o desenvolvimento global do teu filho.

 

Segue uma rotina

As crianças com perturbações do espetro do autismo (PEA) prosperam em ambientes estruturados, encontrando conforto e previsibilidade em rotinas que satisfazem as suas necessidades específicas. A definição de horários de trabalho fixos para as várias actividades contribui para esta estabilidade essencial e para reduzir o stress.

  • Por exemplo, as horas regulares das refeições desempenham um papel crucial na regulação dos problemas relacionados com a fome e na promoção de um sentimento de segurança; ao estabelecerem as horas das refeições, os pais podem ajudar os filhos a antecipar e a preparar as refeições, minimizando assim a ansiedade associada à incerteza sobre quando vão comer.

 

  • Da mesma forma, o agendamento de sessões de terapia em horários regulares fornece uma estrutura confiável para o progresso e o envolvimento em intervenções terapêuticas. Quer se trate de terapia da fala e da linguagem, terapia ocupacional ou terapia comportamental, o cumprimento de um horário regular garante que as crianças recebem apoio e conselhos constantes dos seus terapeutas, o que as ajuda a desenvolverem-se e a crescerem.

 

  • Além disso, manter uma rotina regular de sono é vital para as crianças com PEA, uma vez que um descanso adequado contribui para a regulação emocional e o bem-estar geral. Estabelecer um horário e uma rotina consistentes para a hora de deitar indica ao corpo da criança que está na altura de se acalmar e de se preparar para dormir, o que leva a um sono de melhor qualidade e a menos perturbações nocturnas.

 

  • Para além das actividades essenciais, como as refeições, a terapia e o sono, é igualmente importante incluir actividades recreativas no horário. As actividades recreativas estruturadas ajudam a desenvolver competências de uma forma divertida e atractiva. Quer se trate de trabalhos manuais, brincadeiras ao ar livre ou actividades sensoriais, a inclusão destas actividades no horário incentiva a criatividade, a interação social e o bem-estar geral.

 

  • Ao estabelecer um horário estruturado que inclua uma variedade de actividades adaptadas às necessidades da criança, os pais criam um ambiente favorável que favorece o desenvolvimento da criança e reduz a ansiedade associada à imprevisibilidade. Esta abordagem estruturada promove não só um sentimento de segurança e estabilidade para a criança, mas também o seu crescimento a longo prazo e o seu bem-estar geral.

 

Criar um espaço de relaxamento pessoal

Criar um espaço privado para relaxar em casa pode ajudar muito o teu filho com uma perturbação do espetro do autismo (PEA) a gerir as suas emoções e a encontrar conforto. Este espaço dedicado serve como um santuário onde se podem retirar para se sentirem seguros no meio da azáfama da vida quotidiana. Por exemplo, podes transformar um canto da sala de estar num canto acolhedor com um tapete macio, almofadas de pelúcia e um cobertor favorito, criando um ambiente reconfortante onde o teu filho pode relaxar.

  • A incorporação de pistas visuais, como autocolantes coloridos ou imagens que representem cenas relaxantes ou as suas personagens favoritas, pode reforçar a atmosfera do espaço e ajudar a defini-lo como seu. Por exemplo, podes decorar as paredes com imagens suaves da natureza ou fotografias de momentos preciosos da família, criando um oásis personalizado e adaptado às preferências do teu filho.

 

  • É essencial manter a área segura, especialmente se o teu filho tiver tendência para birras ou para se magoar a si próprio. Retira todos os objectos potencialmente perigosos, como objectos afiados, vidro ou porcelana, e substitui-os por materiais macios e tácteis que não apresentem qualquer risco de ferimento. Pensa em acrescentar elementos sensoriais, como tecidos texturados ou brinquedos que aliviem o stress, para incentivar o relaxamento e a exploração tátil.

 

  • Ao criares uma “zona segura” em casa, estás a dar ao teu filho um mecanismo valioso para lidar com emoções fortes e experiências sensoriais; podes saber mais sobre isto aqui. Este espaço dedicado não só oferece um refúgio físico, mas também serve como uma lembrança tangível do teu apoio inabalável e da compreensão das suas necessidades únicas. Com um design bem pensado e um foco na segurança, estás a criar um ambiente estimulante onde o teu filho pode encontrar conforto e rejuvenescimento no meio dos desafios da vida.

 

Utilizar uma aplicação educativa

A utilização de aplicações e jogos educativos para crianças com perturbações do espetro do autismo pode ser útil para o seu desenvolvimento social e para o desenvolvimento das suas capacidades de aprendizagem. A tecnologia móvel influenciou quase todas as áreas, incluindo a sensibilização e o tratamento do autismo. Uma das melhores aplicações que podes encontrar no mercado é a Coco. É uma aplicação que oferece quase vinte jogos educativos para trabalhar a atenção e a memória.

home-cocothinks-puzzle-jogos educativos-crianças-coco-app-tablet

UM PROGRAMA EDUCATIVO E FÍSICO

Com mais de 30 jogos educativos, as aplicações COCO PENSA e COCO SE MEXE permitem que os teus filhos trabalhem todas as funções cognitivas que têm vindo a trabalhar na escola e com profissionais de saúde.

 

As aplicações COCO exigem uma pausa desportiva a cada 15 minutos de tempo de ecrã. É uma óptima maneira de fazeres com que as crianças se exercitem e se concentrem!

 

Nota que também é possível utilizar a aplicação apenas com actividades desportivas, para adaptar os jogos ao teu filho. Personaliza a sua experiência e ensina-os a concentrarem-se.

home-cocomoves-cocothinks-jogos educativos-crianças-coco-aplicação-tablet

A PAUSA DESPORTIVA

O COCO BOUGE também oferece actividades físicas. A cada 15 minutos de tempo de ecrã, a aplicação pára e oferece jogos físicos para as crianças.

Esta pausa desportiva tem vários benefícios para as crianças, especialmente as que sofrem de autismo.

A utilização de ecrãs é muito útil e apreciada pelas crianças, mas uma utilização prolongada pode tornar-se negativa. Com a Coco, as crianças podem fazer uma pausa dinâmica, aprendendo a largar o tablet e a manterem-se activas enquanto se divertem.

Todas as actividades físicas são concebidas para as crianças. Através de jogos de equilíbrio e de dança, as crianças aprendem a conhecer o seu corpo e a adaptar-se ao seu ambiente. Para crianças autistas, isto pode ser muito útil para melhorar os padrões motores conhecidos e melhorar a auto-perceção (especialmente em casos de hipo ou hipersensibilidade).

desporto para crianças numa aplicação
Coco Move Criança a fazer desporto

E PARA MAIS INFORMAÇÕES

COCO, PARA CRIANÇAS AUTISTAS

 

COCO é um programa adaptado para crianças autistas que oferece uma coleção de jogos educativos e cognitivos. Os níveis de dificuldade crescentes permitem que as crianças progridam ao seu próprio ritmo. É também essencial fazer uma pausa desportiva a cada 15 minutos de tempo de ecrã para evitar a dependência.

ACOMPANHA UMA CRIANÇA AUTISTA

Neste guia, vamos dar-te conselhos práticos sobre como ajudar uma criança com autismo e como estimular e criar laços com ela. Conselhos úteis para o dia a dia para facilitar a vida dos familiares e profissionais que prestam cuidados.

Ler

FERNANDO, PARA ADULTOS AUTISTAS

Adaptado a adultos com autismo, o programa FERNANDO propõe uma série de jogos para desenvolver os conhecimentos, melhorar a concentração e reforçar as capacidades mentais. FERNANDO foi concebido para ser acessível a todos, mantendo-se ao mesmo tempo atento à saúde mental.

APOIAR UM ADULTO COM AUTISMO

Neste guia, damos-te conselhos práticos sobre como apoiar, estimular e criar laços com um adulto com autismo. Conselhos úteis para o dia a dia para facilitar a vida dos familiares e profissionais que prestam cuidados. Exercícios para trabalhar todos os aspectos.

Outros artigos que podem ser do seu interesse: